Menu

Nesta sexta-feira (25/6), o ministro da Economia, Paulo Guedes, entregou ao presidente Arthur Lira (PP-AL) a chamada segunda fase da reforma tributária. O projeto de Lei 2337/2021 trata de mudanças no imposto de renda para pessoas físicas, empresas e investimentos são tratadas no

A primeira etapa da reforma já havia sido apresentada em 2020, com o projeto de Lei 3887/2020, que cria a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS).

Com base em apresentação elaborada pelo Ministério da Economia sobre a segunda fase da reforma tributária e declarações na coletiva de imprensa que discutiu o assunto, o JOTA explica ponto a ponto as principais alterações divulgadas. Também há o mesmo esquema para o projeto da CBS, logo em seguida.

PL 2337/2021: Imposto de renda

Lucros e Dividendos

O projeto prevê a tributação dos dividendos a uma alíquota de 20% na fonte pagadora. Há a previsão, porém, de uma isenção de até R$ 20 mil por mês a microempresas e empresas de pequeno porte.

De acordo com a apresentação, as alterações desestimulam a “pejotização”, criam um sistema mais justo e incentivam novos investimentos, já que estimulam o reinvestimento dos lucros.

O secretário da Receita, José Barroso Tostes Neto, afirmou que a isenção na distribuição é um “estímulo e a atratividade para um desvio chamado de ‘pejotização’, que é a transformação em pessoa jurídica de atividades e rendas naturais da pessoa física”. Ele firmou também que a tributação incidirá nas remessas de lucros ao exterior à alíquota de 20% e será majorada para os paraísos fiscais em 30%.

O chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, afirmou que o Executivo estima arrecadar R$ 18,5 bilhões com a tributação de lucros e dividendos em 2022. As projeções apresentadas mostram ainda que a arrecadação vai subir para R$ 50,9 bilhões em 2023 e R$ 58,15 bilhões em 2024.

Juros Sobre Capital Próprio

O projeto prevê a vedação à possibilidade de dedução dos valores de Juros Sobre Capital Próprio (JCP) das bases de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL).

O subsecretário de tributação da Receita, Sandro Serpa, salientou que o JCP foi criado na década de 90, em um cenário de inflação galopante e dificuldade de acesso a crédito. Para Serpa, porém, o instrumento se mostrou ineficaz na capitalização das empresas.

“Para não prejudicar o sócio nesse custo de oportunidade de colocar o dinheiro na empresa e não aplicar no mercado foi criado os Juros Sobre Capital Próprio, porém no decorrer dos anos que foi permitida a possibilidade de dedução foi se perdendo o objetivo da medida, o mercado de crédito está muito mais evoluído”, afirmou Serpa.

Atualmente os Juros Sobre Capital Próprios podem ser abatidos das bases de cálculo do IRPJ e da CSLL por empresas no lucro real. Por isso, apesar de serem tributados, são vistos como boas opções para a distribuição de valores.

Por fim, Claudemir Malaquias afirmou que o Executivo pretende arrecadar R$ 2,75 bilhões em 2022 com o fim da possibilidade dedução dos JCP. Para 2023, a expectativa sobe para R$ 7,18 bi e para 2024, R$ 7,6 bi.

Redução da alíquota do IRPJ

De acordo com o texto, em 2022 a atual alíquota de 15% de IRPJ passará a ser de 12,5%. Em 2023, o percentual deve cair para 10%. No entanto, o adicional de 10% para lucros acima de R$ 20 mil por mês permanece.

O chefe do Centro de Estudos Tributários da Receita Federal, Claudemir Malaquias, afirmou que em 2022 a redação da alíquota implicará em perda de arrecadação de 18,52 bilhões. Em 2023 a redução será de 39,2 bi. Por fim, em 2024 a perda de arrecadação será de 41,53 bi.

Recolhimento trimestral

A proposta prevê o recolhimento trimestral do IRPJ e da CSLL a todas as empresas. Hoje, há duas opções: trimestral e anual. “Empresas com tributação anual precisam apurar e pagar estimativas mensalmente. Será permitido compensar 100% do prejuízo de um trimestre nos três seguintes”, destaca o texto da apresentação.

Tributação de operações na bolsa de valores

Segundo o texto, a apuração, hoje mensal, passaria a ser trimestral, com alíquota de 15% em todos os mercados. Atualmente, a alíquota é de 15% em mercados à vista, a termo, de opções e de futuros e 20% para Day Trade e cotas de FII.

Ainda são previstas mudanças nas compensações de resultados negativos, que poderão ocorrer entre todas as operações, inclusive day-trade e cotas de fundos negociadas em bolsa. Hoje a compensação é limitada entre operações de mesma alíquota.

Ativos de renda fixa e fundos

O projeto ainda altera a tributação de ativos de renda fixa, como Tesouro Direto e CDB e fundos abertos e fechados, prevendo alíquota única de 15%. Há a previsão de fim da isenção sobre os rendimentos distribuídos a pessoas físicas no caso de Fundo de Investimento Imobiliário (FII) com cotas negociadas em bolsa a partir de 2022. A “tributação dos demais cotistas cai de 20% para 15% na distribuição de rendimentos, na amortização e na alienação de cotas”, consta na apresentação.

CRI, CRA, LCI e LCA

Durante coletiva de imprensa, integrante do Ministério da Economia salientou que, por “decisão de governo”, optou-se por não acabar com a isenção aos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs).

Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) também continuam isentas.

Isenção de IRPF

O projeto prevê aumento na faixa de isenção do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil. O desconto simplificado de 20% fica restrito a quem recebe até R$ 40 mil por ano. De acordo com o projeto, a tabela do IRPF ficaria da seguinte forma:

  • Isenção: renda até R$ 2.500 (16,3 milhões de trabalhadores);
  • Alíquota de 7,5%: Renda entre R$ 2.500,01 e R$ 3.200 (2,8 milhões de trabalhadores);
  • Alíquota de 15%: Renda entre R$ 3.200,01 e R$ 4.250 (3,6 milhões de trabalhadores);
  • Alíquota de 22,5%: Renda entre R$ 4.250,01 e R$ 5.300 (2,2 milhões de trabalhadores);
  • Alíquota de 27,5%: Renda acima de R$ 5.300,01 (6,3 milhões de trabalhadores).

PL 3887/2020: CBS

Reforma fatiada

Em 21 de julho de 2020 o governo federal divulgou a primeira “fatia” de sua reforma tributária enviando ao Congresso Nacional o PL 3.887/2020, que cria a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS).

O tributo seria resultante da unificação do PIS e da Cofins, com alíquota de 12%. Atualmente as alíquotas combinadas de PIS e Cofins são, na maioria das vezes, de 3,65% e 9,25%, respectivamente sob suas sistemáticas cumulativa e não-cumulativa.

Creditamento

O novo sistema proposto pelo governo federal será não cumulativo e permitirá o aproveitamento de crédito relacionado a toda a atividade empresarial. O crédito é permitido até no caso de aquisições de bens e serviços comercializados por empresas optantes pelo Simples Nacional.

Será proibido tomar créditos de CBS sobre aquisições que não forem oneradas pela nova contribuição. Ou seja, o crédito é vedado caso a operação anterior não sofra a incidência da CBS. As exceções para esta regra são as exportações e vendas à Zona Franca de Manaus. Isso significa que as empresas podem tomar créditos de CBS no caso de exportações e vendas à zona de livre comércio.

Isenções

Com a aprovação do projeto estariam mantidas isenções sobre a cesta básica, sobre serviços de saúde custeados pelo SUS, sobre serviços de transporte coletivo de passageiros e para entidades beneficentes de assistência social e templos religiosos. Quanto aos regimes especiais, os setores de combustíveis e cigarros continuarão no regime monofásico – em que uma empresa é responsável por recolher o tributo em nome de toda a cadeia produtiva.

Alíquota menor para bancos

Entidades terão alíquota menor, de 5,9%. Segundo o Ministério, isso se justifica porque essas entidades não geram ou se apropriam de crédito. O PL ainda proíbe que empresas tomem crédito sobre a aquisição de bens sujeitos ao regime monofásico e sobre valores pagos a instituições financeiras.

Isenções

Ficam de fora da contribuição do CBS condomínios de proprietários de imóveis, instituições filantrópicas e fundações, entidades representativas de classes e conselhos de fiscalização de profissões, serviços sociais autônomos, sindicatos e partidos políticos.

Setor de serviços vê elevação da carga tributária

Entre as preocupações apresentadas por tributaristas e representantes do setor de serviços está a elevação da tributação de setores que prestam serviços à pessoa física, como escolas e hospitais, que não farão parte de uma cadeia geradora de créditos.

Conceito de bens e serviços e creditamento

Há consenso entre os tributaristas que o creditamento amplo e unificado é benéfico, porém, ele precisa ser melhor especificado para evitar disputas entre o fisco e os contribuintes. Os advogados e acadêmicos preocupam-se com o potencial contencioso administrativo e judicial que pode surgir a partir da discussão do que pode ser entendido como bem e serviço.

O receio é que ocorra com a CBS algo similar às disputas atuais em relação a quais insumos dão direito a crédito no caso de empresas sujeitas ao regime não cumulativo de PIS e Cofins. Há dúvidas, por exemplo, se direitos e intangíveis, como aluguéis e royalties, poderiam gerar crédito, uma vez que o artigo do projeto de lei que trata do creditamento fala especificamente de bens e serviços.

Tributação sobre livros

O projeto da CBS não prevê isenção da contribuição para os livros, como ocorre no PIS e na Cofins. Dessa forma, os produtos passam a ser tributados em 12%. O projeto recebeu a oposição do mercado editorial e críticas da sociedade.

Tributação sobre lucros e dividendos

Tributaristas alertam que, da forma como o texto foi enviado ao Congresso Nacional, há brecha para a cobrança de CBS em operações empresariais atualmente isentas de PIS e Cofins, como lucros e dividendos e os resultados do método de equivalência patrimonial – ou seja, a atualização do valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária.

Além disso, advogados se preocupam com a possibilidade de cobrança de alíquotas diferenciadas dos lucros, dividendos, resultados e Juros sobre Capital Próprio (JCP) a depender da atividade econômica da empresa – se a investidora for uma instituição financeira, a alíquota será de 5,8%, se não, o percentual será de 12%. Com isso, se o PL for aprovado com a redação atual pode gerar desestímulo a investimentos e o aumento dos litígios.

 

 

 

 

 

*Fonte: jota.info

tributo receita Sped imposto de renda ICMS prazo Reforma Tributária EFD simples nacional tributos contador parcelamento fisco ECF imposto STF contabilidade RFB MEI nota fiscal PIS governo obrigatoriedade SEFAZ sonegação eSocial fiscalização COFINS Receita Federal fraude