Menu

Após quatro anos da fixação, pelo STF, da tese segundo a qual “é devida a restituição da diferença do ICMS pago a mais no regime de substituição tributária para a frente se a base de cálculo efetiva da operação for inferior à presumida” (RE 593.849), vários Estados já regularam o procedimento para o referido ressarcimento, exigindo também o complemento quando a venda ao consumidor final ocorre em valor superior ao da base de cálculo presumida adotada por ocasião do recolhimento do ICMS-ST.

Alguns deles são: Minas Gerais, através do decreto 45.547/18, São Paulo, por meio da lei 17.293/20, e, mais recentemente, o Rio de Janeiro, mediante publicação da lei 9.198/21. A cobrança do complemento do ICMS-ST pode ser questionada em todos os casos diante da ausência de previsão constitucional e de suporte em lei complementar a amparar a sua exigência.

 

“Outros pontos passíveis de discussão judicial envolvem a cobrança retroativa do complemento, a limitação temporal do ressarcimento, a necessidade de atendimento dos requisitos impostos pelo artigo 166 do CTN, a completa ausência de lei local a exigir o complemento e a instituição de obrigações acessórias de difícil cumprimento ou a sua falta, o que pode até inviabilizar a apuração do saldo a restituir e o repasse no preço dos valores a serem complementados”, explica a especialista Sarah Barbassa, sócia da área de Tributário do Cescon Barrieu Advogados.

A título de exemplo, a advogada cita a recém-publicada lei 9.198/21 pelo Estado do Rio de Janeiro que determina que a complementação e restituição serão aplicadas (i) às antecipações de pagamento de fatos geradores presumidos realizados após 24 de outubro de 2016, data em que foi publicada a ata de julgamento do tema 201 do STF e (ii) aos contribuintes que ajuizaram até a mesma data ações de restituição da diferença paga a maior.

“Além dos vícios já apontados, tais disposições, a depender de como sejam regulamentadas, podem ferir os princípios da anterioridade e da capacidade contributiva, caso de fato se exija dos contribuintes a cobrança do complemento relativamente a fatos geradores ocorridos em momento anterior à sua vigência”, conclui Sarah.

 

 

 

*Fonte: migalhas.com.br

SEFAZ Reforma Tributária STF ICMS fiscalização MEI EFD COFINS Sped contador governo prazo imposto eSocial contabilidade nota fiscal parcelamento imposto de renda obrigatoriedade fraude tributos ECF Receita Federal fisco sonegação RFB tributo simples nacional receita PIS