Menu

Reforma Trabalhista: dúvidas mais comuns depois de 1 ano

  • 27/11/2018
  • Por

Neste mês de novembro de 2018, a Reforma Trabalhista completou 1 ano. Mesmo após este período, as mudanças trazidas por ela ainda geram muitas dúvidas em quem trabalha nas áreas fiscal, contábil ou trabalhista.

Por isso, hoje selecionamos as 5 dúvidas principais questões que os especialistas da e-Auditoria recebem para você atualizar os seus conhecimentos sobre a Reforma Trabalhista! Confira:

 

1) Contribuição Sindical: o que mudou com a Reforma?

Os sindicatos deram vários outros nomes para a contribuição, tentando, a todo custo, receber esse pagamento. Entretanto, depois da reforma, tanto a contribuição da empresa quanto a dos empregados é facultativa. A empresa só poderá descontar do funcionário que, expressamente, autorizar o pagamento.

Como a reforma fala em autorização expressa, os sindicatos tentaram burlar a legislação e aprovar, mediante assembléia, o desconto. Porém, a aprovação mediante assembléia não supre a autorização individual dos funcionários.

Essa alteração foi discutida em várias ações diretas de inconstitucionalidade propostas pelos sindicatos com o intuito de invalidar a faculdade da contribuição e torná-la obrigatória novamente. Mas o STF decidiu, em 29/06, que a alteração é constitucional, e que a contribuição sindical é facultativa.

Então somente aqueles funcionários que autorizarem individualmente e expressamente poderão ter o valor descontado.

 

2) O que ainda gera dúvida sobre a integração do salário?

Um tema que ainda causa confusão em razão das várias modificações é sobre as integrações ao salário. Esse tema, que havia sido alterado pela medida provisória 808 que caiu, e segue agora o texto da  reforma trabalhista que alterou o artigo 457 da CLT, a ajuda de custo, alimentação desde que não seja paga em dinheiro, diária de viagem, prêmios e abonos, ainda que sejam pagos com habitualidade e que ultrapassem 50% do salário, não vão mais integrar o salário.

 

3) Como funcionam as férias depois da reforma trabalhista?

Que as férias podem ser dividas agora em 3 períodos, não há duvidas. Os principais questionamentos são na forma de parcelar essas férias e o inicio do gozo.

O parcelamento deve ser feito de forma que um período não seja inferior a 14 dias e os demais não sejam inferiores a 5 dias. O inicio do gozo deve ser observado atentamente pela empresa. As férias não podem começar dois dias que antecedem o DSR e nem feriado. O mais comum é que o DSR seja no domingo. Então, para esses funcionários, as férias devem começar no máximo na quinta-feira.

Para aqueles que fazem a jornada 12×36, a lei não determinou como seria o inicio das férias. Como em tese esses funcionários não têm o DSR, pois o que existe são folgas compensatórias, a aplicabilidade desse artigo fica comprometida.

A nossa sugestão é que seja observado para não conceder as férias em dia de folga e, se possível, dois dias antes de feriado.

E quanto ao pagamento, as férias continuam tendo que ser pagas 2 dias antes, e no caso de parcelamento das férias, elas serão pagas na proporcionalidade dos dias que serão gozados e continua sendo permitido a conversão de 1/3 em abono pecuniário.

 

4) Por falar em jornada 12×36, ela foi regulamentada pela reforma?

Sim, e a principal dúvida é sobre a remuneração desses trabalhadores.

A jornada 12×36 foi regulamentada pela reforma trabalhista e agora a CLT é expressa sobre a remuneração desse tipo de jornada, esclarecendo que o DSR e os feriados já estão incluídos na remuneração, assim como as prorrogações de trabalho noturno.

 

5) O que mudou para o trabalhador intermitente?

Esse tipo de contrato também foi incluído pela reforma. O intermitente é um funcionário da empresa, ou seja, ele tem sua CTPS assinada e a principal característica é mesclar períodos de atividade com inatividade. Ou seja, a empresa convoca o trabalhador por um período de 15 dias por exemplo e depois fica um período sem fazer nova convocação.

A cada prestação de serviço, o trabalhador recebe, ao final, a remuneração pactuada, férias e 13º proporcional + 1/3 e DSR. É como se o funcionário recebesse uma mini rescisão após cada prestação de serviço.

Como muitas das regulamentações do intermitente foram acrescidas na legislação com a MP 808/2017, que perdeu a validade, o Ministério do trabalho editou a portaria 349, trazendo algumas regulamentações. A nossa sugestão é que as empresas que queiram contratar funcionários nessa modalidade leiam essa portaria.

 

 


Receita Federal fisco imposto de renda contador eSocial COFINS Sped sonegação receita obrigatoriedade tributos EFD fiscalização MEI imposto SEFAZ ICMS Reforma Tributária prazo PIS simples nacional governo contabilidade RFB STF tributo ECF fraude nota fiscal parcelamento