Menu

Congelamento do valor de referência do ICMS sobre combustíveis

  • 03/11/2021
  • Por

A Secretaria da Fazenda do Ceará esclarece que o congelamento do valor de referência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis tem o objetivo de contribuir no controle dos preços praticados ao consumidor final.

A medida foi aprovada, na última sexta-feira (29/10), por unanimidade pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), órgão que reúne os secretários de Fazenda de todos os estados e do Distrito Federal, e tem validade durante o período de 1º de novembro de 2021 a 31 de janeiro de 2022.

Ainda que os estados não sejam os responsáveis pelos sucessivos aumentos dos valores dos combustíveis, o congelamento evita que novas alterações nos preços, que têm sido corriqueiras pela Petrobras, também tenham repercussão para mais no ICMS. A política de preços da Petrobras, baseada nas cotações internacionais do petróleo e do dólar, ocasiona os valores elevados que vêm sendo praticados nos combustíveis.

É importante ressaltar, mais uma vez, que não houve qualquer alteração nas alíquotas do imposto nos últimos anos. A da gasolina é a mesma desde de 2016 e a do etanol, desde 2004. Já o percentual do diesel permanece inalterado desde 1998. Assim, fica claro que o ICMS não pode ser considerado vilão pelos altos preços dos combustíveis.

Com a decisão do Confaz, o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), que é a média dos valores cobrados nas bombas de combustíveis usada como valor de referência para a cobrança de ICMS, ficará fixo por três meses. Os preços médios adotados para esse período serão os vigentes nesta segunda-feira (1º/11).

O Estado aguarda que o Governo Federal e a Petrobras sejam chamados à discussão no Senado Federal a respeito da tramitação do PLP 11/2020, e que possam, juntamente com as outras unidades federativas, apresentar alternativas que estabilizem e façam diminuir os preços em todo o Brasil.

O congelamento do PMPF do ICMS não é capaz de evitar novos aumentos dos preços pela Petrobras ou de gerar alguma diminuição nos valores praticados. A medida se atém ao que é possível aos estados: evitar novos impactos do ICMS nos aumentos que se efetivem pela Petrobras.

Por fim, é necessário lembrar que a Petrobras já acumula lucros neste exercício de R$ 72 bilhões, tendo distribuído R$ 61 bilhões em dividendos, figurando a União como seu principal acionista.

Fonte: SEFAZ

parcelamento ICMS EFD tributos imposto de renda PIS contador governo Sped simples nacional Reforma Tributária tributo COFINS MEI eSocial SEFAZ contabilidade fiscalização ECF fisco Receita Federal receita STF fraude RFB nota fiscal imposto sonegação prazo obrigatoriedade