Menu

É dada novamente a largada à discussão quanto à exclusão de tributos da base de cálculo de outros tributos.

A bola da vez? A exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS

Em maio de 2021, após 22 anos de litígio judicial, o STF finalmente decidiu que “O ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da COFINS. ” .

Aos menos afeitos à discussão, a tese é simples: O PIS e a COFINS incidem sobre a receita. A receita somente pode ser considerada como acréscimo patrimonial. O ICMS (bem como outros tributos) não representam acréscimo patrimonial ao contribuinte do PIS e da COFINS, mas sim um acréscimo patrimonial ao Estado – sendo, portanto, receita do Estado. Logo, o ICMS não deve ser considerado receita do contribuinte e, portanto, não deve ser incluído na base de cálculo do PIS e da COFINS – o que levaria à sua tributação por estas contribuições.

Falando assim parece óbvio, mas foram necessárias duas décadas para chegarem a esta conclusão (fora o baile que a Receita Federal tentou emplacar com a discussão sobre qual o ICMS deveria ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS, se o destacado ou o recolhido).

Agora a bola da vez é o ISS

Por meio do RE nº 592.616, julgado em sede de Repercussão Geral (tema nº 118), o Supremo Tribunal Federal tem amealhado a mesma discussão travada quando da análise da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS.

Como se fosse possível, há ministros que ainda votam pela manutenção do ISS na base de cálculo do PIS e da COFINS e, atualmente, o contribuinte se vê numa grande encruzilhada: É possível que seja considerada inconstitucional a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS e que, a contraponto – e sem qualquer critério de equidade e segurança jurídica – que a inclusão do ISS na base de cálculo do PIS e da COFINS seja considerado CONSTITUCIONAL.

O Relator, Ministro Celso de Mello, votou pela lógica: A exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS, seguindo o entendimento já firmado para a análise da questão sob o ponto de vista do ICMS. Foi seguido pela Ministra Cármen Lúcia, Ministra Rosa Weber e pelo Ministro Ricardo Lewandowski.

Abrindo divergência, o Ministro Dias Toffoli votou por entender que o ISS tem dinâmica diferente do ICMS e, por isso, não deveria ter o mesmo tratamento, mantendo, portanto, seu entendimento outrora exposto: Votou pela inclusão do tributo na base de cálculo de PIS e COFINS. Seguindo a divergência, o Ministro Alexandre de Moraes, Ministro Edson Fachin e o Ministro Roberto Barroso passaram a entender também pela manutenção do tributo na base das contribuições.

O placar está apertado ao contribuinte: São 4 ministros pró contribuinte (pela exclusão do ISS) e 4 ministros pró fisco (pela manutenção do ISS).

Faltam ainda o Ministro Luiz Fux, que entendeu pela exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS e, espera-se, mantenha sua posição votando pela exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS; e o Ministro Nunes Marques, que até o momento não sabemos qual será o posicionamento.

Em caso de empate, o Presidente do STF – atualmente o Ministro Luiz Fux – assumirá o voto de qualidade e decidirá a questão, conforme prevê o art. 13, IX, “b”, do Regimento Interno do STF. Vejamos:

“Art. 13. São atribuições do Presidente:

(…)

ix – proferir voto de qualidade nas decisões do Plenário, para as quais o Regimento Interno não preveja solução diversa, quando o empate na votação decorra de ausência de Ministro em virtude de: (Redação dada pela Emenda Regimental n. 35, de 2 de dezembro de 2009)

(…)

b) vaga ou licença médica superior a 30 (trinta) dias, quando seja urgente a matéria e não se possa convocar o Ministro licenciado. (Incluída pela Emenda Regimental n. 35, de 2 de dezembro de 2009)”

Ao contribuinte resta somente a esperança de que o julgamento seja finalizado e que tenha algum sentido e, é claro, que seja firmado o mesmo entendimento dado ao ICMS, qual seja, a exclusão de tributo da base de cálculo de tributo.

 

 

 

 

 

*Fonte: contabeis.com.br

ALAN CLEITON CHAVES

EFD parcelamento simples nacional ICMS receita contador fraude RFB tributos fiscalização tributo imposto de renda nota fiscal Sped obrigatoriedade PIS governo MEI Reforma Tributária sonegação contabilidade imposto Receita Federal ECF prazo STF SEFAZ eSocial fisco COFINS