Menu

Prazo para negociação de débitos com o ICMS, com descontos, vai até o fim deste mês

  • 13/07/2021
  • Por

O Programa Extraordinário de Recuperação de Crédito oferece ao contribuinte condições para liquidar débitos com o ICMS, e o extinto ICM, vencidos até o final do ano passado, inscritos ou não em dívida ativa

Os contribuintes mato-grossenses, em débito com ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço) e/ou com o antigo ICM (Imposto sobre Circulação de Mercadorias), têm até o final deste mês (31 de julho) para negociar sua quitação, com descontos sobre multas e juros de até 95%.

Segundo o subprocurador-geral Fiscal, Jenz Prochnow Júnior, a PGE (Procuradoria Geral do Estado) está atendendo de forma presencial, na sede da PGE, Ganha Tempo e Agenfas, e remota, por meio de e-mails, ligações telefônicas e whatsapp, cujos endereços eletrônicos e números estão disponíveis em seu site oficial (http://www.pge.mt.gov.br/).

Descontos – O subprocurador reafirma que a negociação, possibilitada pelo Programa Extraordinário de Recuperação de Crédito (Refis Extraordinário), instituído pelo Decreto n. 905/2021, do Governo do Estado, oferece ao contribuinte condições para quitar suas dívidas com o ICMS e o extinto ICM, vencidos até 31/12/2020, inscritos ou não em dívida ativa.

“Portanto, inclui obrigações já assumidas durante a pandemia, que além do aumento dos casos de contaminação e mortes, também causou efeitos negativos em diversos setores da economia mato-grossense”, afirma.

Os descontos concedidos sobre juros e multas variam de acordo com o número de parcelas a serem pagas. Se o pagamento for à vista, será de 95%; se entre duas e quatro vezes, 90%; entre cinco e oito vezes, 75%; e entre nove e 12 vezes, 60%.

O número de parcelas, por sua vez, é proporcional ao valor da dívida negociada. Dívidas de até R$ 5 mil podem ser parceladas em até duas vezes; entre R$ 5.001 e R$ 10 mil, quatro vezes; de  R$ 10.001 a R$ 20 mil, seis vezes; acima de R$ 20 mil, em oito vezes.

 

*Fonte: SEFAZ MT

ECF STF tributo MEI RFB PIS ICMS imposto de renda obrigatoriedade tributos simples nacional imposto receita parcelamento prazo Reforma Tributária Receita Federal eSocial contador SEFAZ sonegação contabilidade EFD fiscalização COFINS nota fiscal Sped fisco fraude governo