Menu

Recentemente o STF decidiu, com efeitos retroativos a partir de 15 de março de 2017, que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS, ou seja, o ICMS que incidiu sobre toda a cadeia de tributação deve ser expurgado da base de cálculo daquelas contribuições por se tratar de um valor que não é receita do contribuinte, mas sim, receita dos estados.

Um dos pontos mais controversos desse julgamento se deu em torno do valor de ICMS que deveria ser excluído: O destacado na nota fiscal de saída ou o “a pagar” devido pelo contribuinte. Por fim, o STF fixou a tese de que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS é o valor destacado na nota fiscal de saída.

Da leitura do parágrafo anterior, fica evidente que o STF tratou especificamente do ICMS em sua operação normal, a sistemática do Débito e Crédito, já que é dito: “o valor destacado na nota fiscal de saída”. E quanto àquela gigantesca parcela das operações sujeitas à Substituição Tributária?

Em relação aos contribuintes substitutos, não há nenhuma dúvida sobre os seus procedimentos. O ICMS ST por eles recolhido e destacado em nota fiscal sempre pôde ser excluído da base de cálculo. Agora basta excluir também o ICMS Próprio. A polêmica diz respeito às operações dos contribuintes substituídos.

Primeiramente é importante entender o conceito da Substituição Tributária:

  • 7º, art.150 da CF/88 – “A lei poderá atribuir a sujeito passivo de obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer posteriormente, assegurada a imediata e preferencial restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador presumido.
  • 5º, Art. 8º da LC 87/1996 (Lei Kandir) – “O imposto a ser pago por substituição tributária, na hipótese do inciso II do caput, corresponderá à diferença entre o valor resultante da aplicação da alíquota prevista para as operações ou prestações internas do Estado de destino sobre a respectiva base de cálculo e o valor do imposto devido pela operação ou prestação própria do substituto.”

Embora seja recolhido pelo substituto tributário antecipadamente e o seu preço esteja “embutido” na nota fiscal de aquisição, o ICMS ST não deve ser reconhecido como custo. Ele continua sendo imposto devido pelo substituído ao revender a mercadoria, é neste momento que o fato presumido se torna fato gerador definitivo.

Exemplo Contábil

A tabela abaixo consiste em duas simulações de apuração do ICMS. A primeira é pelo método da Substituição Tributária e a segunda pelo Regime Normal (Débito e Crédito). Premissa: O percentual da MVA da mercadoria corresponde ao preço efetivamente praticado pelo Varejista quando da sua saída.

       A   B = A x 18%           C     D = A x C   E = D x 18%     F = E – B
Regime de Tributação Valor da Mercadoria (Indústria) ICMS Próprio (Industria) 18% MVA (Formação do Preço de Venda Antecipado)     BASE       CÁLCULO     ICMS ST    ICMS   TOTAL  DA     CADEIA   ICMS ST      (Icms do     Varejista)
Substituição Tributária         1.000,00            180,00          35%         1.350,00            243,00              63,00

 

            A    B = A x 18%         C           D    E = D x 18%       F = E – B
Regime de Tributação Valor da Mercadoria (Indústria) ICMS Próprio (Industria) 18% Mark UP – Formação do preço de venda do varejista NF-e de Venda do Varejista ICMS destacado na NF-e de Venda do Varejista ICMS a Recolher do Varejista
Débito e Crédito         1.000,00            180,00         1.350,00            243,00              63,00

 

Veja que TODOS os elementos que compõem a apuração do ICMS pela sistemática “Débito e Crédito” estão presentes na apuração através da Substituição Tributária. NÃO HÁ DIFERENÇA, sob os pontos de vista contábil, tributário e econômico, entre os dois métodos. A sistemática diferenciada de recolhimento, por antecipação, não altera a essência do imposto. O substituído continua sendo contribuinte do imposto: Contribuinte de fato.

Diante dessa evidência, alguns tribunais já têm ampliado a tese do STF para as operações sujeitas à substituição tributária:

Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 – APELAÇÃO / REMESSA NECESSÁRIA

“Restou consignado ainda que, inobstante ao precedente mencionado não ter feito referência alguma a respeito do ICMS recolhido em regime de substituição tributária (ICMS-ST), há que se concluir igualmente a respeito de tal possibilidade, especialmente em observância da isonomia entre os contribuintes sujeitos à substituição tributária e outros responsáveis pelo pagamento tão somente de seu próprio ICMS, bem como que o ICMS-ST não constitui tributo diverso do ICMS próprio, mas apenas uma técnica de arrecadação que concentra no industrial ou no importador (a depender da relação jurídica envolvida) o ônus da retenção e pagamento antecipado da exação estadual, conforme jurisprudência do STJ.: ApelRemNec 5000372-64.2017.4.03.6104 SP.

Caso a exclusão do ICMS ST seja de fato aceita pelos tribunais, isso abrirá precedente para uma interessante e ousada tese: A exclusão do ICMS ST na base de cálculo dos tributos abrangidos pelo Simples Nacional.

Como é de conhecimento geral, os contribuintes optantes pelo Simples Nacional não estão dispensados do ICMS ST, tanto na condição de substitutos, quanto na condição de substituídos. É o que determina a Lei Complementar 123:

Art. 13.  O Simples Nacional implica o recolhimento mensal, mediante documento único de arrecadação, dos seguintes impostos e contribuições:

  • 1oO recolhimento na forma deste artigo não exclui a incidência dos seguintes impostos ou contribuições, devidos na qualidade de contribuinte ou responsável, em relação aos quais será observada a legislação aplicável às demais pessoas jurídicas:

XIII – ICMS devido:

  1. nas operações sujeitas ao regime de substituição tributária.

Tendo isso em vista, é possível concluir que os contribuintes optantes pelo Simples Nacional, assim como os contribuintes do demais regimes, adquirem produtos e mercadorias para revenda com o valor do ICMS ST embutido no preço.

Outro fato importante diz respeito à base de cálculo dos tributos abrangidos pelo Simples Nacional:

Lei Complementar Nº 123 de 2006

“Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional será determinado mediante aplicação das alíquotas efetivas, calculadas a partir das alíquotas nominais constantes das tabelas dos Anexos I a V desta Lei Complementar, sobre a base de cálculo de que trata o § 3º deste artigo, observado o disposto no § 15 do art. 3º.”

“§3º Sobre a receita bruta auferida no mês incidirá a alíquota efetiva determinada na formado caput e dos §§ 1o, 1o-A e 2o deste artigo, podendo tal incidência se dar, à opção do contribuinte, na forma regulamentada pelo Comitê Gestor, sobre a receita recebida no mês, sendo essa opção irretratável para todo o ano-calendário.”

“Art. 3. Para os efeitos desta Lei Complementar…

  • 1º Considera-se receita bruta, para fins do disposto no caput deste artigo, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.”

Veja agora o conceito de Receita Bruta da Lei Nº 10.833 de 2003 que trata da cobrança não-cumulativa da COFINS:

Art. 1o A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS, com a incidência não cumulativa, incide sobre o total das receitas auferidas no mês pela pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou classificação contábil.”

“§ 1o Para efeito do disposto neste artigo, o total das receitas compreende a receita bruta de que trata o art.12 do Decreto Lei Nº 1.598 de 1977.”

Art. 12.  A receita bruta compreende: 

I – o produto da venda de bens nas operações de conta própria; 

II – o preço da prestação de serviços em geral; 

III – o resultado auferido nas operações de conta alheia; e

IV – as receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não compreendidas nos incisos I a III.”

Agora compare ambos os dispositivos:

                                                    RECEITA BRUTA
    Lei Complementar Nº 123 de 2006       Lei Nº 10.833 de 2003 (COFINS)
O produto de venda de bens e serviços nas operações de conta própria; O produto da venda de bens nas operações de conta própria;
O preço dos serviços prestados; O preço da prestação de serviços em geral;
O resultado nas operações em conta alheia. O resultado auferido nas operações de conta alheia.

Resta evidente a identidade entre as bases de cálculo entre os regimes. Contudo, é importante lembra que no Simples Nacional a gama de tributos incidentes sobre a Receita Bruta é ainda maior.

“Art. 4º A opção pelo Simples Nacional implica o recolhimento mensal, mediante documento único de arrecadação, no montante apurado na forma prevista nesta Resolução, em substituição aos valores devidos segundo a legislação específica de cada tributo, dos seguintes impostos e contribuições:

I – Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) ;

II – Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);

III – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) ;

IV – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) ;

V – Contribuição para o PIS/Pasep;

VI – Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991;

VII – Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) ;

VIII – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).”

Diante de todo o exposto, em obediência ao princípio da isonomia tributária que dispõe a Constituição Federal, é completamente pertinente que os contribuintes optantes pelo Simples Nacional excluam de sua base de cálculo o valor recolhido a título de ICMS ST.

É, sim, verdade que o art. 24 da Lei Complementar 123/2006 determina que é incompatível com este regime especial de tributação qualquer incentivo ou benefício fiscal, o que em tese justificaria o fato de até agora estes contribuintes terem sido ignorados no debate sobre a exclusão do imposto. Contudo, a exclusão do ICMS ST não se trata de um incentivo, mas apenas de uma “redefinição” do conceito de Receita Bruta para fins de apuração de tributos.

*Fonte: contabeis.com.br

PYTER BASSO

governo prazo SEFAZ imposto de renda tributo RFB tributos nota fiscal contabilidade MEI Receita Federal simples nacional fisco imposto sonegação EFD ECF fraude COFINS PIS ICMS obrigatoriedade Sped fiscalização Reforma Tributária contador receita parcelamento eSocial STF