Menu

IASP – Instituto dos Advogados de São Paulo, por meio de seu conselho e diretoria, manifestou-se contra o PL 2.337/21, do governo Federal, que trata da reforma tributária da renda.

 

Veja a íntegra dos motivos apresentados pelo instituto:
  • O projeto de lei foi apresentado sem qualquer estudo de impacto sobre o aumento da carga tributária que certamente afetará todas as pessoas jurídicas e uma parcela significativa de pessoas físicas. A ausência de estudo de impacto vem causando apresentação de números controversos seja por representantes do governo, seja por especialistas na área jurídica ou econômica. A ausência de estudo com números efetivos indica a falta de transparência na apresentação de um projeto de lei de tamanha relevância para a sociedade brasileira.
  • Não houve discussão prévia com a sociedade civil sobre os diversos temas tratados no referido projeto de lei, o que faz com que, para tema tão relevante, tenha sido formado o projeto apenas com a visão do governo.
  • O projeto de lei certamente levará à fuga de investimentos brasileiros e estrangeiros, pois além de aumentar a carga tributária – apesar de diminuir as alíquotas do IRPJ – há expressivo aumento sobre a distribuição de lucros e dividendos, e revogação da possibilidade de serem considerados como despesas dedutíveis para fins do IRPJ os valores pagos a título de juros sobre capital próprio, dois fatores importantíssimos que fazem o Brasil – apesar de todo o seu conhecido “custo” – atraente pelo ponto de vista econômico – para os investidores.
  • A tributação de lucros e dividendos, sem estudo específico sobre o seu impacto, somada à alteração na legislação sobre distribuição disfarçada de lucros e à obrigatoriedade para as empresas optantes pelo lucro presumido de terem escrituração mercantil, traz um enorme prejuízo à grande parcela das empresas brasileiras, que trazem emprego a milhares de brasileiros e trarão maior complexidade ao sistema, com maior litigiosidade.
  • A obrigatoriedade de empresas com atividades imobiliárias e de empresas que explorem direitos patrimoniais de autor ou de imagem, nome, marca ou voz terem o regime de apuração do IRPJ pelo lucro real também não traz qualquer estudo de impacto ou justificativa econômica plausível. Não há dúvidas de que tal alteração é um duro golpe nos respectivos setores, considerando ainda, que o setor imobiliário traz muitos empregos e investimentos ao Brasil.

“Enfim, o projeto de lei traz ainda outros dispositivos que merecem discussão, mas este Instituto entende que não deve ser dada continuidade ao processo legislativo, retirando-se o Projeto de Lei que deverá ser substituído por outro Projeto que contemple estudos de impacto e que seja elaborado em conjunto com toda a sociedade civil.”

 

 

 

 

*Fonte: migalhas.com.br

fraude eSocial governo simples nacional receita imposto tributos STF EFD RFB Receita Federal ICMS COFINS Reforma Tributária contador prazo MEI fiscalização ECF SEFAZ imposto de renda sonegação obrigatoriedade nota fiscal PIS parcelamento Sped fisco tributo contabilidade