Menu

Para abordar os principais pontos das propostas de reforma tributária, o presidente da Fenacon, Sérgio Approbato recebeu no Especial Reformas Tributária e Administrativa desta semana, o advogado tributarista e professor, Gabriel Quintanilha.

O sistema tributário brasileiro é um dos sistemas mais complexos do mundo, por isso o Brasil necessita de uma reforma tributária urgente.

Há três propostas – as principais – de reforma tramitando no Congresso Nacional, a PEC 110/19 que pretende substituir nove tributos por um único tributo, que seria o Imposto sobre Bens e Serviços – IBS. A PEC 45/19 que propõe aglutinar cinco tributos. E a proposta do governo federal, que idealiza mexer principalmente nos tributos federais. A Contribuição sobre Bens e Serviços – CBS disposta no PL 3887/20 apresentado pelo governo substitui o PIS e COFINS passando a ter um regime único não cumulativo.

Segundo Quintanilha, as PEC’s são problemáticas, pois propõem alterar a arrecadação federal, estadual e municipal. Outra questão que requer atenção está contida na proposta do governo:  o fim da isenção de PIS/COFINS do livro.

“Temos um problema seríssimo, o poder público acha que tudo tem que ser tributado. Não são todos os fatos da vida que tem que ser tributado. Essa ideia brasileira é muito retrógrada”, alertou.

O presidente Sérgio Approbato mencionou a ideia de simplificar tributos em vez de criar novos impostos e fez uma analogia para exemplificar a proposta do Simplifica Já.

“Eu acho que é muito mais lógico você pavimentar uma rua cheio de buracos, do que pegar uma rua de terrão e começar do zero. Uma coisa que você não sabe se vai ficar bom ou não”, frisou Approbato.

Gabriel Quintanilha acrescentou que simplificar é “o melhor dos caminhos”. No entanto, ele acredita que a simplificação seria mais efetiva se promovesse a ampliação do simples nacional, a criação do Simples para a indústria e a simplificação da legislação do PIS/COFINS e IPI.

Ademais, Quintanilha reconhece que A CPMF pode gerar retorno de arrecadação e uma simplificação do sistema por um período limitado.

“Em situações trágicas, talvez soluções, no primeiro momento, dolorosas podem ser soluções viáveis. O Brasil por ser um país continental, precisa de medidas que sejam mais adequadas a sua realidade. Se você trocar a tributação da folha, do CSSL e PIS/Cofins pela CPMF, pode ser uma solução”.

 

 

 

*Fonte: portalcontabilsc.com.br

COFINS contador tributos fiscalização fraude Reforma Tributária receita EFD contabilidade MEI STF governo sonegação prazo imposto de renda SEFAZ RFB ICMS Sped parcelamento Receita Federal ECF tributo eSocial nota fiscal obrigatoriedade PIS imposto fisco simples nacional