Menu

Camex adia redução de tributo sobre brinquedos prometida para dezembro

  • 20/11/2020
  • Por

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) publicou nesta quinta-feira (19), no Diário Oficial da União, uma resolução jogando para o fim de 2021 o corte de 35% para 20% do Imposto de Importação incidente sobre brinquedos.

A medida foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro no começo de novembro e a alíquota de 20% inicialmente iria vigorar a partir de 1º de dezembro deste ano.

No entanto, a Camex, órgão do governo que reúne representantes da Economia, Relações Exteriores, Agricultura, além da Presidência, revogou a decisão tomada no início do mês publicando uma nova decisão.

Com isso, a taxa de 20% só entrará em vigor um ano depois do prometido pelo governo. Até lá, a cobrança irá cair progressivamente. A partir do próximo mês a tarifa de importação de brinquedos será de 30%. Em junho, passa a ser de 25%. Por fim, em dezembro de 2021, chega à marca de 20%.

A medida contempla brinquedos como patinetes, triciclos, bonecos quebra-cabeças, trens elétricos, instrumentos e aparelhos musicais de brinquedo, entre outros.

Mudança de prazo

De acordo com a decisão publicada no Diário Oficial, a mudança foi deliberada pelo Comitê Executivo de Gestão da Camex em reunião extraordinária realizada de 13 a 16 de novembro.
A alteração gradativa das alíquotas é descrita no ato como “cronograma de desgravação tarifária”.

Segundo o Ministério da Economia, a tarifa de 35% ainda vigente para esses itens é a terceira mais elevada do mundo, inferior apenas às praticadas por Afeganistão e Zimbábue.

A pasta ressalvou ainda, quando da edição da primeira resolução, que a redução a 20% iguala a tarifa brasileira à Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul e elimina a elevação tarifária excepcional que incidia sobre as importações desses produtos desde 2011.

 

 

*Fonte: contabeis.com.br

prazo contabilidade governo EFD Receita Federal simples nacional RFB eSocial receita ECF imposto de renda contador SEFAZ MEI imposto parcelamento tributos sonegação nota fiscal COFINS obrigatoriedade PIS ICMS Sped fiscalização fisco fraude STF Reforma Tributária tributo